segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

REFLEXÕES FILOSÓFICAS I

Alguns pensamentos, por enquanto:


Somos livres apenas quando temos a plena consciência da nossa realidade.

A maior lição de humildade é dada pela Natureza; para que pudéssemos ser grandes e complexos, dependemos dos muito pequenos e simples.

A felicidade é a história secreta da vida; o amor é a sua essência.

Sei que não sou nenhuma estrela, nem qualquer planeta brilhante, nem os invejo, embora os admire. Por enquanto, estou satisfeito em ser apenas um grão ao lado de muitos outros que constituem o solo de um planeta comum, principalmente por saber que, mesmo não sendo visto pelos gigantes, contribuo de alguma forma para que alguns possam se apoiar e empreender a sua caminhada.

Eventos e pessoas que passam em nossas vidas têm sempre o que nos ensinar. Busquemos aprender com elas, para que nos fortaleçamos na difícil caminhada da existência.

As pedras no caminho nos ajudam a sentir que estamos vivos, caminhando; os espinhos nos ensinam que somos sensíveis; a beleza e o perfume das flores nos mostram que tudo vale a pena.

Como escritores, escrevemos o nosso próprio destino; usemos, portanto, as “palavras” corretamente, para que possamos ter um livro futuro de agradável leitura.

Um Discípulo, ao contemplar a sua própria imagem em um lago plácido e tranquilo, perguntou ao seu Mestre: − Mestre, que se deve fazer para ser verdadeiramente um Homem? O Mestre, então, lhe respondeu: − Filho, ser consciente, concreto, e não apenas uma imagem refletida, que qualquer distúrbio pode descaracterizar ou deformar.

Certa vez um Discípulo contemplava dois objetos: um pequeno fragmento de rocha, vulgarmente chamado de “pedra”, e uma pequena esmeralda. Ao encontrar o seu Mestre, lhe perguntou: − Mestre, qual destas pedras é a mais bonita? O Mestre, então, lhe respondeu: − Filho, não queira comparar duas coisas distintas, nenhum objeto é igual ao outro, cada um tem a sua particularidade, a sua essência, e é exatamente isso que os tornam belos, cada um a seu modo. Portanto, a beleza não está na aparência, mas na essência. O mesmo pode ser aplicado às pessoas.

Cid Bastos